Ir para conteúdo
Criar Novo...

Pesquisar na Comunidade

Mostrando resultados para as tags ''você''.

  • Pesquisar por Tags

    Digite tags separadas por vírgulas
  • Pesquisar por Autor

Tipo de Conteúdo


Comunidade

  • ⭐️ [EXCLUSIVO] ÁREA VIP
    • Download do Tema Olympiano
    • E-books VIPs
    • Cursos
    • Mini Cursos
    • Faça sua PRIMEIRA VENDA aqui!
    • Networking VIP
  • Crie sua conta para ter acesso!
    • Criar minha conta gratuitamente!
    • E-books Gerais
  • Área Olympiana
    • Anúncios Oficiais
    • [MEGA CURSO] DROPLIST
    • Produtos Olympianos
    • Dropshipping Geral
  • Central de Ajuda Olympiana
    • Precisando de ajuda? Clique aqui!
  • Estruturação e Configuração de Loja
    • Artigos e Vídeos
    • Bate Papo
  • Marketing e Vendas
    • Artigos e Vídeos
    • Bate Papo
  • Suporte e Experiência do Cliente
    • Artigos e Vídeos
    • Bate Papo
  • Jurídico e Contábil
    • Artigos e Vídeos
    • Bate Papo
  • Finanças e Administração
    • Artigos e Vídeos
    • Bate Papo
  • Área OFF!
    • Bate Papo Geral
    • Apresentação
    • Reportagens e Notícias
    • Sugestões e Depoimentos

Blogs

Não há resultados

Não há resultados

Categorias

  • Arquivos Olympianos - VIP
  • Arquivos Olympianos - Membros

Encontrar resultados em...

Encontrar resultados que contenham...


Data de Criação

  • Início

    FIM


Data de Atualização

  • Início

    FIM


Filtrar pelo número de...

Data de Registro

  • Início

    FIM


Grupo


Sobre


Data de Nascimento

Entre e

WhatsApp


Qual seu nível de conhecimento com Dropshipping?

Encontrado 2 registros

  1. Ok, você decidiu largar o emprego e abrir seu próprio negócio. Agora leia este artigo e saiba o que ninguém te conta sobre empreender Roberta Simões - 10 MAIO 2022 Roberta Simões foi responsável pela concepção e gestão do Braskem Labs e hoje dá treinamento para startups e intraempreendedores. A reflexão sobre deixar uma vida estável para empreender é importante. Que me lembre, já passei por isso quatro vezes. Saí de um estágio na maior agência de digital do país para empreender na música. Depois saí da maior petroquímica das Américas para empreender em um blog de culinária e por aí vai… Foram muitas noites sem dormir e uma ansiedade que me consumia 24/7 Se você está vivendo este momento, essa é uma decisão que vai marcar para sempre uma passagem da sua vida. Será tão importante que você irá contá-la aos seus filhos e sobrinhos, independente do caminho que siga: não empreender e se arrepender ou não; empreender e se arrepender ou não. Normalmente este momento não acontece uma vez — e não é curto. Ele vai e volta, nos traz ansiedade e inquietude. Nos tira o sono e o tesão pelo trabalho que estamos fazendo na empresa que paga nosso salário. Porque temos um sonho. E queremos viver esse sonho. Mas, às vezes, a realidade é um pouco (senão completamente) diferente do que imaginamos. Em comparação ao mundo corporativo, empreender é outro bicho. Não dá para imaginar o que é empreender enquanto se é CLT. Mesmo que te contem, não dá para entender Por isso, se você está nessa fase, sugiro que reflita sobre alguns pontos que podem te ajudar a tomar uma decisão mais consciente. Mas, antes de entrar nesses pontos, saiba que possivelmente você tem alguns preconceitos em relação a você mesmo e não sabe do que é capaz. Me tomando como exemplo, eu nunca fui vista como uma pessoa boa de vendas. Pelo contrário. Essa era uma função que ninguém me daria. Sempre fui tímida, introspectiva e muito sincera. Até o dia que eu precisei vender. Entendi as regras do jogo bem rápido e hoje sou uma excelente vendedora. Outro exemplo: eu sempre gostei muito de escrever, mas trabalhei em um lugar onde as pessoas achavam o contrário — por uma divergência de estilo. A opinião deles nunca me fez achar que eu não tinha boa escrita. Mas eu poderia facilmente ter acreditado neles. Não é porque seus colegas de trabalho e seu chefe não enxergam potencial em você que você não é bom naquilo. Leve isso em consideração Quando colocamos as caras no desafio, descobrimos coisas sobre nós que não sabíamos. Então, não se limite a fazer essa reflexão com o que você sabe sobre você hoje. Enxergue seu potencial. Se lembre que no corporativo te colocaram numa caixinha. Financeiro. Jurídico. Marketing. Comercial. Mas é só isso que você sabe fazer? Tentei elencar aqui as dez primeiras pancadas que o empreendedor toma no seu day one, no seu primeiro dia em casa, empreendendo, depois de anos trabalhando em empresas. ESSAS SÃO ALGUMAS DORES QUE NINGUÉM TE CONTA: 1) A solidão será sua companhia O empreendedor é solitário. São muitos pratos para uma só pessoa rodar. Por isso, sócios são importantes. Mas, mesmo assim, quando eles se dividem e cada um cuida de uma caixinha, aquela caixinha é sua. E você tem que resolver ela Não tem time para baixo, muito menos para cima. 2) A lei de fazer e não ter retorno O retorno de um negócio pode demorar a vir. Esse início pode ser angustiante. Mas não deveria ser tanto assim. O Thiago Oliveira, empreendedor que admiro, ficou os seis primeiros meses de sua empresa de logística sem clientes e depois passou por inúmeros contratempos até fazer um exit de muito sucesso. Foram anos. O empreendedor é aquele cara que faz, faz, faz, e quando todos já desistiram, ele continua. E é nessa linha de quebra que o retorno começa a vir. 3) Você está preparado para não ter chefe? Muita gente reclama do chefe. Mas você saberia o que fazer se não tivesse ele para te dizer o que fazer? É preciso ter muita disciplina para executar algo sem que ninguém te peça, criar uma rotina e setar metas. 4) É preciso ter estômago para o risco A depender do tipo de empresa que você abra, o investimento será importante ou irrisório. Mas começar a empreender faturando, com clientes, é bem difícil. Por isso, pergunto: você tem estômago para perder capital? Ficar meses sem receber, só gastando? E não só gastando para viver, mas com a empresa também? Queimando seu patrimônio? E correndo o risco de dar tudo errado e você perder tudo? 5) Acabou o ramal da TI Se seu computador quebrar, não tem o ramal de TI para pedir ajuda. Você vai entrar no Google e ficar seis horas tentando consertar sozinho. Se não der certo, vai levar numa assistência. O mesmo acontece com apoio jurídico, de comunicação etc. 6) Vivendo a depressão da caixa de entrada vazia Depois que sair da empresa, a partir do dia seguinte, você não vai receber mais nenhum e-mail e ligação profissional. Algum parente vai ligar para saber como você está. E só. Muita gente vai pensar “que maravilha não receber 120 e-mails por dia!”. Mas, na vida real, isso pode trazer um enorme vazio Eu nunca me senti assim, mas já ouvi algumas pessoas dizendo que se sentiram completamente inúteis. Daí eu volto ao ponto 3: você consegue ter disciplina sem que tenha alguém te dizendo o que fazer? Nesse momento, essa skill será bastante importante. 7) Como lidar com os pitacos nos almoços de família Os almoços de domingo na casa da avó são matadores. Não quero generalizar, mas isso acontece em boa parte das famílias. “Porque você largou seu emprego tão maravilhoso?” ou “O que você vai fazer agora?” ou “Como vai o negócio novo?”. Estas serão algumas perguntas com as quais você terá que lidar. O negócio novo tem uma semana e ainda não tem resultados. E é possível que você não tenha resultados financeiros positivos por um bom tempo. É possível que demore de três a cinco anos para atingir break-even. E pode ser que dê tudo errado e você tenha que pivotar. E tudo bem. Empreender é isso mesmo. Mas a família muitas vezes não vai entender, e nem os amigos. E você vai ser motivo de piada e olhares desconfiados das pessoas que mais ama. Por meses ou anos Até as coisas começarem a dar certo. Essa barra pode ser bem difícil de aguentar. Por isso, mantenha perto de você aquelas pessoas que te apoiam, que entendem o momento e sabem que sucesso não vem do dia para a noite. Tente fazer essa energia não te atrapalhar ou te atrapalhar o mínimo possível. 8 ) Aceite: as burocracias no nosso país muitas vezes são incompreensíveis Eu sou publicitária e musicista. De repente abri um CNPJ, tive de contratar um contador e entender sobre zilhões de coisas muito chatas e incompreensíveis. Sim, as burocracias do nosso país são incompreensíveis. Algumas coisas você simplesmente tem que aceitar. Para algumas pessoas isso é a morte. O pior momento do dia delas. Para mim, apesar de ser muito chato, é parte do meu negócio que quero que dê certo. Precisei ressignificar certas coisas. A burocracia foi uma delas Quando meu contador me ligava, eu sentia frio na barriga, não queria atender. Ressignifiquei. 9) Você não terá a chancela de uma grande empresa para te abrir as portas Esse talvez seja a maior rasteira para quem fez uma carreira no corporativo. Essa pessoa só não se sente assim se tem uma reputação muito boa e excelentes contatos para abrir portas com seu próprio nome. Eu senti isso ao contrário: me matava para abrir caminhos quando trabalhava com entretenimento e, quando fui para uma grande empresa, fiquei impressionada de ver como as portas se abrem quando se tem uma marca assinando sua presença. Basta falar de onde você vem e a reunião é marcada para a semana seguinte. Já o novo empreendedor… 10) O balanço precisa deixar de ser mensal e passar a ser anual Há pessoas autônomas que têm essa dificuldade. Imagine que você saiu do corporativo, onde tinha salário garantido todo mês desde que começou a trabalhar, para ficar meses sem receber e depois pingar alguma coisa e no outro ficar sem receber e então receber uma quantia mais legal e por aí vai. O balanço financeiro da sua vida tem que mudar, de mensal para anual. Para algumas pessoas essa é uma lógica difícil de absorver. É IMPORTANTE CRIAR CONSCIÊNCIA SOBRE AS MUDANÇAS QUE ESTÃO POR VIR — E NÃO SE APAVORAR Todos esses pontos fazem parte de uma fase inicial, que vai passar, mas que necessita da sua mudança de mindset, perseverança e resiliência. O importante de ter essa consciência é minimizar o impacto emocional que essa fase pode lhe causar. Precisamos empreender (ou não) pelos motivos certos. Precisamos ter uma reserva de grana para nos aguentar por um tempo, pelo menos um ano, sem receber. Se você puder levar seu projeto dos sonhos em paralelo ao seu trabalho atual, ao menos no início, pode ser uma boa opção. Pelo menos para testar Algumas pessoas esperam ter clientes pagantes para fazer essa virada. Mas isso depende muito da pessoa e da natureza do negócio ou se, por acaso, algum dos sócios já está se dedicando full time ao business. São muitas variáveis. O que não é mesmo recomendado é ter uma ideia, se apaixonar por ela e largar tudo para viver o sonho. As chances de dar errado são enormes. A dica que eu dou a quem está passando por esse processo é: medite. Escute seu coração. Converse com pessoas que passaram pela mesma situação. Frequente ambientes de empreendedorismo (dos bons). Vá a eventos. Estude. Escute podcasts com jornadas empreendedoras. Somando todas essas coisas você vai se fortalecer e aumentar repertório para tomar uma decisão mais assertiva. E, claro, teste um MVP antes, com clientes reais, para mapear qual é sua real dor e como você pode atendê-la. Ter o apoio do seu cônjuge nessas horas é fundamental. É uma mudança radical de vida. Ele precisa embarcar com você nesse sonho porque irá impactar a dinâmica familiar como um todo. Não existe decisão correta. Existe a decisão correta para você, naquele momento. Portanto, empreenda (ou não) pelos motivos certos. Créditos ao artigo: Roberta Simões do Projeto Draft
  2. Descubra as 4 MÉTRICAS que VOCÊ PRECISA SABER sobre E-MAIL MARKETING Hoje vou estar mostrando pra você as 4 métricas que é uma obrigação saber para todas pessoas que mexem com Marketing. Ainda mais se você for um copywriter! São elas: taxa de entrega, taxa de abertura, taxa de cliques e taxa de cliques por abertura. Serei breve e direto quanto ás informações. Qualquer dúvida ou complemento para o conteúdo, postem nos comentários que vamos adaptando aqui a postagem, combinado? Então bora. Métrica #1 - Taxa de Entrega Essa métrica é consiste, basicamente, na porcentagem de pessoas que efetivamente receberam o nosso e-mail. Ou seja, se escolhemos 100 pessoas para receber a mensagem, mas apenas 90 receberam, temos que a nossa taxa de entrega é 90%. A causa que essas pessoas não receberam são diversas, podendo ir desde um e-mail informado incorreto (ex: fulano@gemail.com), quanto o servidor estar fora do ar ou a caixa de entrada lotada. Essa métrica é importante para que você tire essas pessoas da sua base de leads e trabalhe apenas com quem realmente está apta a receber suas mensagens. Para se ter como base, uma taxa de entrega considerada ideal é por volta de 97%. Portanto, busque otimizar isso o máximo que você puder. Métrica #2 - Taxa de Abertura Vamos lá. A taxa de abertura é a razão das pessoas que realmente abriram o seu e-mail para o total de pessoas que o receberam. Ilustrando, temos: se 100 pessoas receberam o seu e-mail, mas somente 30 abriram, a sua taxa de abertura é de 30%. Mas por que isso é importante? Se as pessoas não abriram o seu e-mail, alguma coisa tem. Isso é um fato. Então, não perca tempo e comece a fazer alterações buscando aumentar essa taxa, como: Alteração no seu assunto: busque uma headline matadora e que dê para o seu lead o que ele realmente quer; Alteração no pré-cabeçalho: muita gente mal explora isso, logo, se você usar você já estará em vantagem; Uso de emoji: teste, às vezes o seu público responde melhor caso tenha um emoji no assunto ou no pré-cabeçalho; Uso de variáveis: explore itens como o nome da pessoa, o produto, alguma variável mais específica; Entre outros. Eu te afirmo que, para ter bons resultados no E-mail Marketing, você deve otimizar a sua Taxa de Abertura o quanto antes. Uma taxa considerada "boa" é por volta de 30%. Isso porém depende bastante do qual será o objetivo do seu e-mail e o objetivo dele (transacional, relacional ou promocional). Métrica #3 - Taxa de Cliques Como o próprio nome já diz, ela é a razão entre o número de cliques pelo total de e-mails que foram entregues. É uma métrica importante, apesar de, ao meu ver, estar abaixo da métrica que vou contar para você no item #4. Essa métrica é bem relevante, e deve ser olhada sim. Mesmo que seja um pouco abstrata, já que o espaço amostral é muito amplo, é uma das métricas mais usada no meio do E-mail Marketing. Métrica #4 - Taxa de Cliques por Abertura (CTOR) Essa métrica, conhecida como CTOR, é sem dúvida uma das mais relevantes. Ela consiste no número de cliques dividido pelos e-mail que realmente foram abertos. Ou seja, imagine o seguinte cenário: você mandou 100 e-mail, apenas 30 foram abertos e você obteve 5 cliques. Logo, temos que o seu CTOR é 5/30 ou 16,66%. Seja fiel nessa métrica e faça testes A/B com diferentes CTAs (call to action ou chamada para ação). Para quem não sabe o que é isso, são os botões do seu e-mail, por exemplo: se você usou o texto "clique aqui" no seu botão, mude para testar. Tente colocar algum benefício, como: "Eu quero essa promoção" e envie para ver os resultados. Seguem alguns pontos para se considerar: Trabalhe o CTA, como eu disse acima; Busque deixar o seu texto o mais persuasivo possível, com vários gatilhos mentais; Mostre para seu lead aonde ele deve clicar, guie-o durante o e-mail; Teste colocar o botão na primeira dobra (primeira parte do e-mail);Entregue conteúdo de relevância para o seu lead para que ele queira clicar no botão (esse é o MAIS IMPORTANTE)! Esses testes vão te fazer aumentar com certeza a sua quantidade de cliques e sua taxa de conversão. Dúvidas? Teste e me conte, eu falo isso por experiência própria e porque eu trabalho com e-mail marketing diariamente. Tudo que falei aqui, foi testado e valido por mim previamente. Esperando que esse conteúdo tenha sido útil para vocês. Gostaram? Me conta aqui nos comentários! Crédito: Apolo Santos

Conheça o E-com 360º 

×
×
  • Criar Novo...

Escreva o que você está procurando e pressione enter ou clique no ícone de pesquisa para iniciar sua pesquisa